custom-header
Boneca Dendem, feliz quem a tem

de Tibor Moricz

resenha_brinquedos_mortais_pequena

I

O aguaceiro caiu com estardalhaço, lavando os telhados, enchendo as calhas e escorrendo para as ruas. Janelas e portas, todas fechadas enquanto a tempestade desabava.

Boneca Dendem, feliz quem a tem, empurrou a cortina, espiando para fora. Paralelepípedos molhados, entremeados por uma grama rala e enfermiça. Fachadas espremidas umas contra as outras, calçadas estreitas. Ainda ninguém corajoso – nem insano – para arriscar um passeio enquanto nuvens carregadas, mesmo que em constante marcha para o oeste, estivessem cobrindo o céu.

Os relâmpagos reluziam ao longe, anunciando a chuvarada que prosseguia sua procissão. Boneca Dendem deixou a janela, voltando-se para o exíguo espaço a que chamava de quarto. Um cômodo quase vazio, não fosse uma mesa pequena, um armário metálico com algumas conexões elétricas e uma solitária cadeira. Uma série de artefatos amontoados sobre a mesa. Pontaletes, ferramentas de precisão, parafusos, porcas, diodos, chips e placas de circuito integrado. Deu um suspiro enfadado e, puxando a cadeira, sentou-se diante da parafernália.

Recomeçou a tarefa interrompida no início da chuva. Deslocou os trapos que lhe cobriam o corpo plástico na altura da barriga, expondo uma placa fosca. Puxando, fez surgir nela uma abertura e se pôs a observar o funcionamento eletrônico interno. Afastou fios e conectores até descobrir uma pequena reentrância. Pegou na mesa uma cânula, enfiou-a ali, girando-a numa rosca até ficar bem presa. Encaixou sobre ela uma peça retangular, escorregando-a até que se firmasse em sua base. Através de comandos internos, fez tanto a cânula quanto a peça retangular serem acopladas em seu abdômen. Viu-as se retraírem e se exporem seguidas vezes até ter certeza de que operavam adequadamente.

Com esmero, fez deslizar para dentro da cânula uma afiadíssima lâmina e então voltou a fechar a abertura e sobre ela o tecido. Observou as mãos cujos dedos desgastados por pouco não exibiam a finíssima película metálica que a recobria internamente, protegendo os mecanismos interiores. Há muito necessitava de reparos e manutenção.

Pensou então nos humanos. Em como foram, outrora, vivazes, ágeis, determinados, flexíveis, imunes às intempéries. Voltou a observar as mãos e as imaginou recobertas por carne e músculos. Imaginou-se exibindo uma face suave, de contornos gentis – não a que de fato exibia: gasta e descorada, com olhos embaciados. Imaginou-se com olhos verdadeiros e não simulacros mecânicos de pouca precisão. Imaginou-se fora dali, longe daquela cidade isolada – última num mundo destruído, sem vida, sem arquejos, senão os dos brinquedos sencientes –, vivendo em família, sentando-se à mesa para as refeições, rindo – que coisa mais fascinante!– e distribuindo abraços. Fora criada a boneca Dendem, feliz quem a tem, com cabelos ruivos encaracolados – já quase inexistentes, poucos cachos ainda, teimosos –, pernas e braços articulados, pés rechonchudos com sapatinhos cor-de-rosa.

Pronto o serviço, levantou-se e foi novamente para a janela. Na rua, outros brinquedos já caminhavam, alguns trôpegos em virtude de desgastes internos que lhes prejudicavam o movimento. Há muito vinham sobrevivendo à custa de sonhos e sofridas ambições. Amparavam-se uns nos outros, mantendo acesa a chama da esperança.

A todos fora conferido o direito de tentar superar a condição mecânica que os limitava. O Grande Criador, o Artesão Divino, que lhes dera uma vida pródiga, porém eivada de limitações, deixou para trás, antes de partir, um Oráculo e a máquina suprema de onde poderiam, de quando em quando, tentar a transmigração. Momento ritualístico máximo onde era dada a um escolhido a oportunidade de ascender a uma condição superior, abandonando a vida mecânica e assumindo uma vida orgânica repleta de significados.

Jamais, em tempo algum, tiveram notícias dos que partiram. Nunca souberam se alcançaram o que procuravam, mas a esperança… A ela nunca abandonavam.

Dividiam toscas residências, adaptadas às suas dimensões, coletivas ou não. Para além das fronteiras conhecidas, escombros evidenciavam um passado de glória, onde os humanos existiram em todo o seu poder e esplendor e eles, os brinquedos, ocupavam espaço em galpões, empilhados e encaixotados.

Curiosa ironia do destino, fazer com que os almejados fossem tão rapidamente extintos. O Pai Manipulador e Artesão, todavia, acompanhou suas pequenas criações por vários anos, sobrevivente do holocausto, reprogramando-os, aperfeiçoando-os até que fossem capazes de emitir o primeiro sinal de consciência.

Boneca Dendem habitava uma residência coletiva. Um dos vizinhos era o Urso Tommy Malucão. Mais ao final do corredor havia o soldado Macaco Craig, um símio irascível. Existiam ainda, ali, um Bambi, dois Robôs Chaleira Piui e Bobby Brutus, um cachorro grande, bobão e felpudo.

Todos, sem exceção, se imaginando recobertos por camadas orgânicas, com um coração a lhes bater no peito, pulmões onde o ar úmido da manhã se agitaria em golfadas ansiosas. Sonhos de vida tão arraigados que oravam contritamente, todos os dias, uma prece criada pela Boneca Princesa Soraya, a única da comunidade com ares de realeza.

Pai Manipulador e Artesão,

Que nos construiu, nos animou e articulou,

dai-nos a carne e o hálito que nos falta.

Porque veio das suas mãos o grande engenho,

das suas ideias a esperança que se concretiza

e da máquina suprema a transmigração

que se propõe a realizar os nossos sonhos.

Pai, abençoado seja o Oráculo sagrado que

nos dispuseste, oferecendo-nos o conhecimento.

Que seus ensinamentos perdurem entre nós

e que a ascensão seja para todos.

O Grande Pai, Manipulador e Artesão que a todos deu a existência, partira para altas moradas onde apenas os deuses habitavam. Ascendeu, ele mesmo, a condições elevadas depois de garantir às suas criaturas a consciência.

A partir disso, viviam um dia após o outro arquitetando formas de se aproximarem da perfeição. Construindo sonhos de carne e osso, de pele e músculos. Reclusos num mundo solitário, isolados e silenciosos. Médicos uns dos outros, dentro das possibilidades de cada um, de acordo com o aprendizado que extraíam durante incursões em abdomens metálicos, membros articulados, cabeças de solda ou de rosca. Autodidatas, aprimoravam-se na arte de se aproximar da grandeza laboriosa do pai que os criara.

Boneca Dendem inclinou levemente a cabeça, movimento que pretendia demonstrar desalento. Fosse humana, franziria o cenho, pressionaria os lábios, entristeceria o semblante. Rígida, nada mais podia que fingir sentimentos.

Em pouco tempo o Oráculo seria mais uma vez acionado. O Mestre Coruja daria vida elétrica ao instrumento que, com sabedoria, apontaria o próximo brinquedo a experimentar a transmigração.

Saiu de seu quarto e caminhou devagar pelo corredor, movendo as pernas com cuidado, um sapatinho cor de rosa, frouxo, querendo escapar. Encontrou-se no caminho com o Robô Chaleira Piui, que batia os pés metálicos no piso desgastado, provocando faíscas.

Na rua, viu Panda Boom gesticulando. Junto dele a Girafa Pescoçuda, o Gato Mamiau e a Boneca Princesa Soraya, a única com olhos azuis, cabelos louros e tez plástica tão alva que parecia gente.

Que o Pai Artesão lhe dê a carne – disseram-lhe quando ela se aproximou, em saudação comum entre eles.

Discutiam a próxima e aguardada cerimônia do Oráculo. Diziam que o Mestre Coruja já havia se deslocado à construção envidraçada de onde seria acionado. Paramentado, diziam. Com monóculo, com chapéu, com toga. Com polainas, que eram as dele. Com as penas sintéticas corretamente ajeitadas. Com os grandes olhos atentos, destacados. Com o bico convenientemente quieto, como convém a um cerimonialista – pelo menos até que se faça necessário o início do rito.

O céu ia se enchendo de estrelas, mesmo que ainda existissem poucas e ralas nuvens correndo céleres de encontro às demais, essas pesadas, que se deslocavam longe, derramando a borrasca em outras freguesias.

Boneca Dendem olhou para cima e tentou vencer a limitação das estrelas. Talvez pudesse enxergar o Pai Manipulador e Artesão a lhe sorrir, apontando-a como a próxima, a escolhida, a eleita para a transmigração. Mas já passara por inúmeros ritos anteriores. Em todos eles vira outros serem escolhidos. Esses, eufóricos, aos saltos, aos gritos, aos apitos, latidos, mugidos, cacarejos, rosnados. Felizes, cada um à sua maneira. Vira-os conduzidos à máquina suprema e, envoltos numa cápsula metálica, reluzente e repleta de conexões, desaparecerem por completo num revoluteio intenso de luz e fumaça, obedecendo à programação algorítmica de um poderoso computador central.

Depois o Oráculo era cuidadosamente desligado e os brinquedos se dispersavam. Outra cerimônia só depois de vários e vários dias, período necessário para que o Oráculo, desfeito de suas conexões, tivesse tempo e concentração suficientes para se preparar para nova escolha.

Eram milhares, um dia. Agora não mais que algumas poucas centenas.

A rua em que estavam se estendia, tortuosa. Ora orlada por prédios decadentes, arruinados, ora por casas e construções que ainda despertavam algum respeito pelas formas concisas e elegantes com que foram um dia construídas. Era por essa rua que iriam todos em direção à construção envidraçada onde se encontrava o Oráculo. Ela findava num ponto em que se iniciava uma bifurcação. Para um lado, após vários escombros, encontrariam um pântano malcheiroso. Para outro, ruínas de um antiquíssimo cemitério humano, revirado várias vezes em busca da carne que já não existia. O Oráculo era, portanto, na exata localização em que se encontrava, a pedra angular de todas as esperanças da comunidade.

Observou os tufos de pelo de Panda Boom já meio desfeitos, muitas partes do corpo exibindo manchas oleosas. O gato Mamiau não tinha uma orelha e o rabo estava quebrado. A girafa pescoçuda era caolha e a Boneca Princesa Soraya, a despeito de toda a pose real, tentava a todo custo disfarçar as roupas que esvoaçavam em farrapos à menor brisa.

Viu-se, logo, envolta pela maré de brinquedos que iam surgindo de todos os lugares, saindo de seus recantos e esconderijos. Era empurrada pela turba, obrigada a seguir-lhe os passos, ela igualmente entorpecida pela aura de fascinação do momento. E se imaginava, mais uma vez, escolhida. Via-se na máquina suprema, sentia-se abraçada por uma forte onda de energia e depois, recuperada da apoteose, descobrindo-se uma menina de carne e osso – e não mais lamentáveis plástico e metal –, numa terra distante no tempo, promessa do Pai Manipulador e Artesão.

Muitas vezes, nos hiatos entre uma cerimônia de transmigração e outra, questionava-se se a máquina suprema de fato transmutava brinquedo em gente. Passava-lhe pelos circuitos a ideia de que eram simplesmente desintegrados, transformados em pó ou até menos que isso. Ou então, numa hipótese um pouco melhor, mas não muito reconfortante, conduzidos para local desconhecido, expostos a perigos inimagináveis ainda e sempre como bonecos. Por isso, sempre que se antecedia uma cerimônia de transmigração, ocultava laboriosamente uma lâmina afiada no abdômen. Seria sua proteção no caso de ser uma escolhida e da segunda hipótese ser a correta.

Como jamais ninguém retornara para confirmar o sagrado processo, ficavam todos obrigados a se mover única e exclusivamente pela fé.

E, por ela, a entrar na Máquina Suprema, permitindo-se ser desintegrados ou renascer.

A rua foi coberta por um tapete de brinquedos. Seguiam, uniformes, balançando ritualisticamente, movendo o tronco – os que os tinham –, movendo os pescoços – os que os tinham – de um lado para outro, em sincronia. Avançavam, muitos murmurando a prece máxima ao Pai Manipulador e Artesão.

Surgiu na cabeceira da bifurcação a construção de fachada envidraçada, vidros azuis claros e transparentes. Um nível superior. No térreo, próxima à calçada, protegida por um escudo de vidro, uma janela negra por onde o Oráculo realizava sua escolha. Abaixo dele, Mestre Coruja mantinha as asas abertas como num abraço para toda a população que se aproximava.

A Máquina Suprema ficava no andar de cima, inclinada diante de uma larga abertura envidraçada, para que todos pudessem vê-la. Fios multicores saiam dela, interligados num grande aparelho cheio de leds e pequenas janelas luminosas onde corriam códigos alfanuméricos que indicavam o progresso da transmigração até o ponto em que ele se completava numa explosão de luzes.

Geradores poderosos, os mesmos que recarregavam as duráveis baterias individuais que alimentavam a população, forneciam a energia para que a Máquina Suprema pudesse funcionar.

A massa se aglomerou diante do prédio. O balançar rítmico e sincronizado parou. Olhares voltados para Mestre Coruja. Um longo e respeitoso pio marcou o início da cerimônia. Em uníssono, todos oraram a prece ao Pai Manipulador e Artesão. Contritos, numa verdadeira demonstração de fé.

Ao final, fizeram uma longa reverência ao Oráculo que, nesse momento, foi conectado à tomada. Sua tela negra se iluminou e passou a exibir um padrão imagético fervilhante e ruidoso. Era a sua alma despertando. Mestre Coruja se aproximou, então, de uma larga prateleira onde se amontoavam pequenos discos metálicos. Realizou rápida pantomima protocolar e, num gesto afetado e cerimonial, escolheu um entre tantos, pegando-o com o bico.

A turba gemeu em expectativa.

Mestre Coruja postou-se ao lado do Oráculo e inseriu cuidadosamente o disco numa ranhura. Como por encanto, o Oráculo despertou de seu sono e passou a emitir imagens fantásticas.

Crianças correm e brincam num parque, meninas e meninos.

Dia ensolarado, árvores, grama, pássaros e gritinhos de surpresa e alegria.

Surge em primeiro plano uma menina de olhos azuis lindíssimos, cabelos louros autênticos, pele macia e corada, lábios finos e delicados. Fala alguma coisa que não se entende, sorri, repleta de felicidade e júbilo, e puxa para si o objeto de desejo: uma Boneca Dendem.

Continuam as imagens: números aparecem na tela, em seguida um jorro d’água com suas milhares de gotinhas translúcidas a rebrilhar, uma bola colorida que passa quicando célere, um totó – um cão de verdade, não um miserável simulacro de pelúcia – latindo e abanando o rabinho, outras muitas meninas correndo a pegar Bonecas Dendem.

Mas a nossa Dendem já não vê nada, não compreende nada, tomada que está por uma epifania.

Sentiu-se empurrada para frente, conduzida pela massa que a observava com olhares de inveja e admiração. Mestre Coruja desligou o Oráculo, retirou o disco e aguardou a chegada da escolhida.

Postada entre a fachada de vidros e a população inquieta, foi chamada carinhosamente pelo Mestre, que indicou uma porta lateral por onde poderia entrar. A cerimônia de transmigração se realizava sempre logo após a escolha. Caminhou trôpega pelo espanto, pela surpresa, pelo medo e também em virtude do sapatinho que ameaçava lhe escapar dos pés. Viu dentro do prédio outros brinquedos, assessores do Mestre, auxiliares no processo. Foi recebida e auxiliada com imensa consideração. Subiram uma rampa e chegaram ao andar superior. Ela viu a Máquina Suprema da mesma forma que todos, se o Grande Pai Manipulador e Artesão permitisse, veriam ainda um dia.

Sentiu seus circuitos integrados fremirem. Chips estremeceram. Seus olhos piscaram repetidas vezes. Suas mãos abriam e fechavam os dedinhos gorduchos numa espécie de frenesi. Estava tão nervosa e apavorada que por pouco não pediu que a deixassem, de forma que pudesse correr para fora dali, mesmo se arriscando a perder o sapatinho. Mas se controlou. Auxiliares a conduziram até diante da cápsula, agora aberta, exibindo o interior metálico polido e lustroso. Ao lado, o computador central, máquina imponente que rangia, aquecendo-se.

Olhou para a janela de vidros e viu toda a população em êxtase, observando-a, ansiosos pela conclusão da cerimônia.

Pediram-lhe que deitasse dentro da cápsula. Ela hesitou, temerosa. Sorriram e lhe disseram que não havia perigo. Mas via naqueles olhos uma dúvida tão real, tão palpável que, se tivesse sangue nas veias, o sentiria congelar. Não podia, por outro lado, evitar o seu destino. Acomodou-se dentro da cápsula sentindo os pés tremelicando. Fecharam-na, isolando-a do mundo exterior. Não podia ouvir nada nem ninguém. Quase não podia ouvir os próprios pensamentos. A contagem regressiva teve início.

Estava em “Pai, abençoado seja o Oráculo sagrado que nos dispuseste, oferecendo-nos o conhecimento…” quando sentiu o mundo tremer, a cápsula se encher de luzes coruscantes, de relâmpagos azulados e cada vez mais intensos. Tentou erguer os braços, levantar a tampa que a recobria e fugir, mas sentiu-se invadida por uma energia intensa que a rasgava, dilacerava, destruindo-a molecularmente até que não mais existisse naquele tempo e lugar.

II

Despertou recoberta por folhas, uma leve umidade a cobri-la da cabeça aos pés. Seus olhos abriram-se cautelosamente e observaram um teto negro e amplo que a recobria. Precisou de poucos segundos para identificar vastas copas de árvores. Estava em uma mata, caída no chão, sentindo ainda o corpo estremecer em meio a curtos e doloridos choques elétricos.

Permitiu-se descansar por alguns minutos. Estava atônita, como não poderia deixar de ser. Então a transmigração havia ocorrido de fato, uma vez que no lugar de onde viera não havia árvores e a pouca e rala grama era doente. A decepção, porém, lhe invadia os circuitos numa onda avassaladora. Se por um lado conseguira, através da Máquina Suprema, viajar para local distante e ignorado, por outro ainda continuava brinquedo, com o corpo plástico e interior metálico. Com diodos, com chips e bateria. Tocou-se devagar sentindo a pele plástica. Interiorizou-se, sentindo correntes elétricas percorrerem seus circuitos. O Grande Pai, Manipulador e Artesão deixara para eles uma fraude. A Máquina Suprema não era mais que um transportador. Levava brinquedos de um lugar a outro, sem transformá-los em gente. Sem lhes conferir a transmutação que tanto almejavam.

Descobriu, então, que toda a sua fé fora inútil. Choraria se tivesse lágrimas. Voltaria e denunciaria a mentira, se tivesse como.

Levantou-se, trôpega. Verificou os sapatinhos e constatou que estavam, ambos, em seus pés. Moveu-se com alguma dificuldade devido ao solo fofo e irregular. Não sabia para onde avançar, já que todos os lados lhe pareciam iguais.

Seguiu o que lhe pareceu horas sem fim até que estacou, escondendo-se atrás de um arbusto. Havia uma rua diante dela. Gente indo e vindo. Estranhas máquinas com rodas, passando, rápidas. Eram humanos, constatou, perplexa. Arregalou os olhos e se quedou estática, admirando os deuses. Perguntava a si mesma como faria para se apresentar. Como faria uma aproximação. Como a receberiam e se tinham, eles, poderes para lhe conferir a carne que acreditava que receberia na transmutação que não ocorrera.

Então se lembrou da lâmina e tocou o abdômen com ansiedade.

Deixou-se ficar, mergulhada em dúvidas. E ficaria assim por muito tempo se não visse do outro lado da rua uma criança, acompanhada de uma adulta. Mãos dadas, caminhando pela calçada. Pararam diante de uma curta escadaria. Subiram por ela até uma porta. Abriram-na e desapareceram lá dentro. Logo depois viu luzes surgirem em algumas janelas, viu sombras se movendo no interior e pensou que lá seria o quarto delas, parecido com o quarto que possuíra em sua comunidade e que agora seria disponibilizado a outro brinquedo.

Lembrou-se das imagens do Oráculo. De crianças meninas brincando com Bonecas Dendem. Entendeu, então, que crianças tinham forte ligação com brinquedos e interagem com eles de forma não destrutiva, numa simbiose importante para ambos os lados. Junto a uma criança estaria segura. E nunca sozinha.

Esperou que o tempo passasse. A circulação na rua diminuiu perceptivelmente. Pouca ou quase nenhuma gente caminhava por ali. A noite avançara e o céu exibia as mesmas estrelas, as mesmas constelações que observava em sua comunidade. Tomou-se de coragem e saiu de seu esconderijo. Arriscou os primeiros passos na calçada. Observou ambos os lados e não viu nada nem ninguém. Com passinhos adiante, cuidando para que o sapatinho não lhe desgrudasse do pé, desceu a guia com dificuldade, caindo de lado, rolando desajeitada. Levantou-se, aborrecida. A rua parecia vasta. Atravessou-a o mais rápido que pode. Escalou a outra guia, alçando-se com esforço, amassando o vestido puído. Considerou os imensos problemas que teria para escalar os degraus da escadaria. Mas teria que fazê-lo se tivesse alguma esperança de sobrevivência nesse mundo desconhecido e assustador.

Conseguiu. Embora, para seu desespero, o sapatinho que ameaçava cair a tempos finalmente tivesse se soltado. Não teve ânimo para buscá-lo já que para isso teria que descer dois degraus. Não abdicaria do progresso já alcançado. Parou diante da porta que lhe pareceu gigantesca e por momentos tentou adivinhar como faria para entrar. Sem outra opção bateu nela com toda a força que conseguiu reunir e deixou-se cair, imóvel como se inanimada fosse.

Deu certo.

A porta se abriu devagar. Boneca Dendem manteve os olhos semicerrados, o suficiente para apenas entrever. Viu a menininha assomar ao pequeno alpendre. Viu-a primeiro olhar a escadaria e além dela para só depois se dar conta do que estava caído ao pé da porta. Houve um momento de indecisão que a deixou em pânico. Temeu mais do que nunca que fosse abandonada ali ou, pior, arremessada longe.

Mas, contrariando seus maiores temores, a menininha abriu um largo sorriso e a pegou, levando-a ao colo. Sentiu-se arrebatada. Um misto fantástico de sensações dava aos seus circuitos conexões novas a serem exploradas e otimizadas. Os braços firmes, mas não agressivos, circundavam-na, segurando-a com decisão. A menina correu para o quarto após fechar a porta da sala. Disse à mãe qualquer coisa à guisa de explicação, tranquilizando-a, e em seguida trancando-se e se pondo a admirar o novo brinquedo, juntando-o a outras bonecas.

Deixou-se manipular. Deixou-se despir para se ver vestida com roupas novas, retiradas de outra boneca. Sentiu tão perto o aroma da carne que tinha influxos intensos de adoração. Ambicionava mais do que tudo. Queria demais. Quanto mais era agarrada, quanto mais era apertada, mais se embevecia, mais se encantava e se embriagava na deliciosa sensação de ser uma menina de verdade. De possuir carne em vez de plástico. De ter sangue correndo em veias inexistentes. A dura realidade, porém, vinha em corrente contrária, lembrando-a sempre de que não era viva. Não passava de um engenhoso artefato, consciente, mas artificial.

Assim, ia se mantendo inanimada, escondendo sua verdadeira natureza. Vivia uma vida que não era sua. Ocultava a grande vontade que tinha de se pôr de pé e gritar e dançar e abrir os braços, dizendo que era a Boneca Dendem. Ocultava o grande desejo de afirmar categoricamente que viera para obter carne e vida pulsante. Que confiara em promessas vãs. Que se deixara mover pela fé, quando a fé nada era senão um embuste. E se manteve silenciosa por dias e noites sem conta. Dividindo a atenção da menina com outras bonecas, essas sem circuitos, sem desejos nem consciência.

Até que, sentindo que sua bateria não lhe daria mais que poucos dias de vida, extinguindo-se, e com ela a sua vida consciente, decidiu, num arroubo, tomar para si o que deveria ter lhe sido dado desde o início, como prometera o Grande Pai Manipulador e Artesão.

Esperou a menina dormir. Subiu à sua cama, engatinhou com cautela. Arrastou-se até se aproximar do rosto suave e adormecido. Beijou os lábios quentes. Sentiu o hálito embriagante. Deixou-se ficar por longos minutos sentindo o calor que emanava daquele corpo. Deslizou para baixo. Ergueu-lhe a camisola devagar até expor o delicado ventre. Acariciou-o com amor e desejo. Então procurou no abdômen a afiadíssima lâmina que ainda carregava consigo.

III

Talvez Panda Boom ou Princesa Soraya ou Robô Chaleira Piui exultassem ao vê-la feliz e realizada, recoberta pela carne que tanto pedira em orações. Mas a mãe da menina não pôde, de início, conter o assombro que a visão lhe provocara. Lençóis desfeitos e ensanguentados. Ventre monstruosamente aberto. Órgãos internos despejados pelo chão. Uma boneca enfiada no corpo, mesclada à carne e ao sangue resultantes. Olhinhos móveis, boca aberta num sorriso que era franco e tão diferente daquele da menina que mais parecia um esgar.

Antes do lancinante grito de terror e da loucura que se abateu sobre a casa, Dendem ainda esticou os braços rechonchudos para fora, em direção da mãe, que retrocedia horrorizada. Procurou o tom mais amoroso possível, aquele que traria para si a família e o amor que tanto queria e exclamou:

Boneca Dendem, feliz quem a tem!

Conto publicado na antologia Brinquedos Mortais

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *