Conto: Elevado (Por João Gomes)

Débora estava nervosa porque sua filha ainda não tinha retornado. Tentou contatá-la no celular mas não teve êxito. Tentou também o celular da melhor amiga dela. Nada! Foi um dia cansativo no escritório de assessoria jurídica Carneiro, Leão & Associados. Como era sexta-feira Débora tinha o rito de se mergulhar na jacuzzi por trinta minutos… o banho detox… Dez minutos depois ela não tinha conseguido fechar seus olhos e nem tão pouco entrado em seu sonho de cruzeiro pelas Bahamas… a música suave não adiantou muito o percurso… As nota d´uma música dos anos oitenta a levou a um beco sem saída. Reminiscências dum passado. A festa de formatura da prima. Caso eu não tivesse ido¹, não estaria aqui, nesta cidade, não haveria casamento com aquele cara, não haveria Cassie nem tão pouco o escritório Carneiro, Leão & Associados… Ergueu seu braço pegou a toalha, depois acionou o controle remoto da TV.

O líder da comunidade Altos de Santana diz que haverá piquetes em todas as estações de metrô da linha Marron. A companhia administradora dos trens metropolitanos afirma que o reajuste determinado pela câmara setorial não cobre as despesas do serviço. Um novo reajuste será definido para o próximo mês. Cinco centavos da discórdia…

Cassie, a filha de Débora, saiu à tarde para fazer um trabalho em equipe com suas amigas do colégio. Foram ao Distrito Sul. Cassie e sua amiga Yara almoçaram no Shopping. Isso ela disse a sua mãe antes de lá chegar. (Na apresentação do balanço trimestral o faturamento apontou queda de 0,68%. Essa circunstância fortuita fez o gerente tomar uma decisão inusitada. O gerente da rede de hamburgueria colocou uma campanha promocional na web e, se tornou viral naquela manhã). Melhor dizer que elas lancharam na hamburgueria e depois passaram num salão de beleza. Em seguida foram a biblioteca pública para fazer o trabalho de geografia.

O subprefeito da Freguesia do Ó declarou esta manhã na Rádio Alternativa que a população enfrentará os agentes de saúde. O plano do governo de vacinação da população está ameaçado. Em outras comunidades houve insurreição e diversos distúrbios.

Hoje as 17 horas e vinte e um minutos…
…Cento e doze metros de concreto do viaduto Pedro Labatut, São Bernardo, desmoronam sobre a Avenida Governadora Pietá Sapucaia. Ainda não se sabe o número de feridos….

Depois destas notícias Débora tentou outra vez contatar sua filha. Sem sucesso. Voltou ao banheiro e foi terminar seu banho. Lavou os longos cabelos castanhos e pôs-se a secá-los. Despois foi a cozinha afim de preparar um lanche. Quando erguia seu sanduiche o interfone tocou:

—– D. Débora seu Júlio está aqui. (o ex-marido, na portaria do prédio).

—- Jesus! ——– Exclamou ela. E agora?! (Era o final de semana em que sua filha era levada para passar com o pai).

—— Marcos retrucou:

—— não, é o seu Jú-li-o!

—— Tá. Marcos, diga a ele que eu vou aí.

—– Ele disse que quer subir.

—— Não! Já estou descendo!

Lançou um olhar ainda para a TV e viu a imagem de uma garota como uniforme da escola da filha, saindo do metrô. Mas, não dava para ver o rosto. Pensativa desceu rapidamente a escada. Enquanto ela descia a escadaria o seu ex-marido batia com força a porta do apartamento.

No saguão Débora se sentou em um dos sofás e começou a esboçar mentalmente uma sustentação oral para o debate com seu Júlio, porque depois da separação eles debatiam com furor suas opiniões, ideias, sempre sem consenso. Ela preferiu esperá-lo no saguão, local aliás adequado para “recepção” deste tipo de ex-companheiro.

Júlio espancou com vigor a porta do apartamento. Depois de uns cinco minutos e alguns palavrões ele decidiu descer para o saguão.

—- Então? Cadê a Cassie?

—- Júlio, boa tarde.

—- Cadê a Cassie???

—- Então. Ela foi a casa de uma colega de escola fazer um trabalho.

—- Mas já passou da hora.

—- Você está certo, mas não sei o que houve.

Júlio coça a cabeça e anda de um lado para outro. Olha o relógio de pulso. Olha para Débora. E pela primeira vez nota que ela está de roupão de banho e sua cabeleira parece ter um brilho diferente nesta noite. Mentalmente Débora tentava reconstituir o trajeto de Cassie. Mas, sua filha naquela tarde tinha feito um roteiro diferente. …As leis da aleatoriedade.

Era o final desta tarde de sexta-feira, quando parte do elevado Pedro Labatut ruiu. A causa mais provável da queda foi a passagem de um caminhão com dez toneladas de concreto pelo viaduto, que se encontrava na última etapa da obra.

Com o desabamento, três vãos do elevado², num total de 122 metros, soterraram algumas pessoas. Trinta mil toneladas de concreto vieram abaixo, esmagando 13 carros, um ônibus e um caminhão que estavam parados num sinal de trânsito na rua debaixo. Técnicos da prefeitura afirmam que ainda é cedo para levantar as causas da tragédia, que deixou a cidade impactada.

Logo após o noticiário, na internet o boletim do DBN – Drone Blog News, para tristeza do casal, listou as fotos e perfis das vítimas.

 

¹ Postulado da teoria do Caos. A ideia é que uma pequena variação nas condições em determinado ponto de um sistema dinâmico pode ter consequências de proporções inimagináveis.

²  FONTE: Depoimento concedido ao Memória Globo por: Glória Maria (24/8/2000); MEMÓRIA GLOBO. Jornal Nacional – a notícia faz história. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 2004.
http://memoriaglobo.globo.com/programas/jornalismo/coberturas/queda-do-paulo-de-frontin/fontes.htm

Um pensamento em “Conto: Elevado (Por João Gomes)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para o topo