Conto: Pague-me outra garrafa que te digo o que vi (por Leon Nunes)

Você qué sabê quem eu vi naquele dia.
Pois vô falar só se você me pagá mais uma.
Tô aqui porque minha mulié me traiu e, porra, separo de mim, perdi a merda do meu emprego e agora tô bebendo meus último trocados furado.
Cê não quer saber, né? Tá. Eu tava tomando outra desta aqui mesmo quando chegou um cara mau encarado aqui no putero. Sabe aqueles que perderam tudo na vida? Você vai querer saber, sim. O cara chegou sem falar com ninguém, parecia eu, só queria bebê. Cada vez que me lembro daquela pessoinha me dá vontade de vomitar.
Depois de um tempo dois outros cara chegaram e, boom, falaram merda.
Sabe o que eles falaram?
Não lembro com certeza.
Tinha algo a vê com a filha robada, ou mulié estrupada, algo que tocava aquele cara de uma forma até triste.
Afogar as mágoa, sabe? A cachaça é nossa única amiga neste momento.
Esqueci que tu não qué sabê de mim.
Tá. Ele pegou pelo perçoso o cara, sabe. Aqui ó. Pertou. Carrego o cara até lá fora. Eu não sai. Foi uma gritaria só. As puta ficaram loca da vida. É até engarçado pensa nisso, sabe. O cara protro cara pra matá, tendeu? É, tendeu.
Não lembro dele. Só do cara, nem do cara que chego. Ele ficou cantano as coisa toda de estrupo, de mata, sabe, roubá uma meninha.
Quano foi? Hãããã, uma semana, eu acho, não mais. Tá procurano o cara? Haha. Um brinde secê acha. Tô bebo, mas não bobo, ainda consigo pensar. Vai querê?? Ah, não, tá de serviçio, a polícia ia te tirá da polícia, sei. Ah, é, se não sei.
Então ele chegô e pegô o cara pelo perçoso e foi lááá pra fora. Hummmm, se foi. Pegô direitinho. O cara parecia que tinha cagado nas calça. Hehe. Os fuzuê foi lindo de vê, mas não vi que acoteceu lá fora. Só escutei.
Sim, foi isso queu disse seu policial. Escutei foi um tiro. As putas véia tavam toda avoroçada, sabe. É, foi isso que acoteceu. Se quisé sabê mais, fala com as puta, elas vão te fala direitinho direitinho.
Qué um conselho? Paga cachaça pra elas que elas abrem as perna e a boca toda.
Pra falá, seu policial, pra falá, eu não disse outra coisa.

Leon Nunes

Este contículo foi baseado numa passagem do livro Em busca da vingança.
Para você saber qual, convido a adquirir o ebook e ler.
Não esqueça de dizer o que achou, assim como divulgar para que todos saibam desta história de um pai vingativo que busca a filha e encontra um horror ancestral e pessoas dispostas a tudo para despertar deuses antigos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para o topo